Contra transposição do Rio Paraíba do Sul


A iniciativa do Governo de São Paulo de entrar com o pedido de transposição das águas do Rio Paraíba do Sul demonstra claramente a falta de planejamento hídrico que se repercute como uma medida paliativa que não oferece solução definitiva ao problema de escassez de água, aflorado nos últimos meses em função do verão como um dos menores índices pluviométricos da história, registrados na região da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul.

Um projeto de transposição de águas de qualquer curso hídrico exige uma série de estudos profundos e detalhados que, em sua maioria, apontam para outras alternativas contrárias à transposição. É necessários termos a consciência que esse assunto atinge diretamente milhões de pessoas, centenas de municípios, além de colocar em conflito interesses de três grandes estados brasileiros: Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Antes de se pensar em uma medida radical como essa que pode aliviar o problema hídrico de São Paulo, mas traz sérias consequências negativas para os municípios do estado do Rio de Janeiro que são banhados pelo Rio Paraíba do Sul que percorre 1.137 km e suas águas abastecem o sistema Guandu, que atende 9 milhões de pessoas em todo o Estado do Rio de Janeiro.

Deve -se desenvolver projetos que, ao invés de intervir no curso natural das águas, promovam ações de uso racional desse recurso como por exemplo: proteção dos mananciais que compõe sua bacia hidrográfica, diminuição do desperdício de água na distribuição, combate à poluição hídrica e proteção das áreas de preservação permanente, principalmente as matas ciliares.

Além de não garantir o conforto hídrico do Estado de São Paulo, a transposição do Rio Paraíba do Sul coloca em risco milhões de habitantes de outras regiões. As medidas de proteção ambiental são muito mais duradouras e o princípio do compartilhamento através de um bom acordo é a única possibilidade porque se três estados geram água, esses três devem usufruir de alguma parte dos benefícios.

A situação crítica do último verão não pode se repetir, mas é preciso saber que: O Rio Paraíba do Sul nasce em São Paulo, mas é o único recurso hídrico que o Rio de Janeiro tem para seu abastecimento, enquanto que São Paulo tem outras opções. Essa é uma causa que eu pretendo abraçar e buscar contribuições importantes para essa questão. Vou trabalhar contra a transposição porque tenho plena consciência de que essa é uma questão que vai prejudicar muito o nosso Estado.

Por: Sávio Neves

© Sávio Neves. Todos os direitos reservados.